Evolução da Historiografia das Relações Internacionais nos EUA

A História mantêm um constante diálogo com as Ciências Humanas, incorporando modelos, teorias e conceitos provenientes destas últimas (Moura 1989). A recíproca também é verdadeira na medida em que as ciências humanas aplicadas também introduziram análises históricas em suas pesquisas.

Em qualquer campo do conhecimento, são as questões colocadas e os possíveis caminhos para que sejam respondidas os marcos referenciais do corpo analítico. São eles que nos oferecem os marcos para a compreensão do desenvolvimento histórico do campo.

Para melhor compreendermos as transformações e sofisticações analíticas faz-se necessário observar tanto as mudanças no mundo das ciências quanto os estímulos sociais e ambiente no qual vivem os analistas. No caso estadunidense, as profundas mudanças domésticas (sobretudo nos anos 1960), as mudanças sistêmicas internacionais (constante aumento da participação dos EUA no sistema internacional) e mudanças estruturais internacionais (centralidade dos EUA no período da Guerra Fria) fizeram com que o estudo das relações internacionais não só sofresse constantes ondas analíticas como também ampliassem significativamente os objetos de análise.

A ausência de rigor crítico em relação ao conjunto de teorias que surgem nos EUA leva ao risco da disciplina relações internacionais perder seu foco (Thompson 1996). Os analistas dão excessiva atenção aos novos fatores e experimentos e, conforme novas teorias surgem, as antigas são colocadas em segundo plano. Esse movimento faz com que surjam variados grupos de analistas que se concentram apenas em suas próprias pesquisas, ignorando os desenvolvimentos de outros centros de pesquisa.

Ao contrário do que acontece na Europa, nos EUA não é comum pensar a história da disciplina em termos de escolas de pensamento[1]. Nelas alguns intelectuais conseguiram criar uma união analítica, permitindo o surgimento de centros relativamente bem delineados e com significativa influência sobre outros centros de menor exposição. Ainda assim, quando tomamos a definição de escola de pensamento numa vertente menos rigorosa, podemos dizer que existem três escolas nos EUA: Chicago; Harvard; Yale/Princeton.

A fim de melhor compreendermos a dinâmica de cada uma delas bem como do ambiente na qual surgiram, procederemos a uma breve análise sobre a evolução do estudo da história das relações internacionais nos EUA.

1870 – 1917 (História Romântica)

No correr do século XIX prevaleceu nos EUA a visão romântica, de forma que as análises históricas eram compreendidas através de momentos específicos e de personagens exemplares, expressando-se como uma narrativa literária.

1917 – 1920’ (Evolucionismo Conservador)

O estudo científico das relações internacionais (RI) como campo possível de atuação do historiador começou nos Estados Unidos após a I Guerra Mundial. Em contraposição à história romântica, procurava-se agregar uma visão mais realista do mundo, marcada por uma continuidade lógica (causas e efeitos) e pela ausência de valorações na análise. Sua metodologia segue a visão rankeana (Alemanha), ou seja, procura-se reconstruir o “fato histórico” através da análise dos documentos disponíveis.

Nos EUA, tal visão foi chamada de evolucionismo conservador e foi marcada pela centralidade analítica nas instituições, desconsiderando-se o papel desempenhado por personalidades. Buscava-se identificar na continuidade das instituições as conformações da vida nacional, seguindo um forte impulso do nacionalismo conservador, que acentua a estabilidade política do país. Observando uma forte inspiração de autores como Darwin, Spencer e Tylor, ganhou um caráter fortemente evolucionista unilinear.

O nacionalismo conservador que marcou os EUA pós-Guerra Civil (1861-1865) e estimulou o movimento de afirmação da unidade nacional deixou por herança a idéia de que o Estado era a mais alta criação institucional da Humanidade. Isso permitiu aos analistas sublinharem a homogeneidade social e a continuidade histórica.

Neste momento, prevaleceu o estudo da história diplomática; que sofria uma forte influência da chamada “história científica” praticada desde fins do século XIX. Com um perfil fortemente etnocêntrico, buscava justificar ações estadunidenses no cenário internacional fundamentando-se na superioridade dos princípios básicos da sociedade estadunidense. Desta forma, seu objeto de análise centrava-se nas relações interestatais, mais especificamente nas relações entre chancelarias e sua metodologia englobava a análise de documentos oficiais.

Autores expressivos: Tyler Dennet; Dexter Perkins; Samuel Bemis; Herbert Levi Osgood; Charles Andrews;

1930’ – 1940’ (História Progressista)

Uma nova linha analítica procurou diminuir o peso excessivo das instituições e do sentido de continuidade. Conhecida por história progressista, seus defensores acreditavam que a história servia à melhor compreensão de problemas do presente, sendo que a evolução histórica era impulsionada por constantes rupturas e conflitos.

Assim sendo, as análises mudavam seu foco da questão política para as condições sociais e ambientais, que seriam as condicionantes das decisões políticas. Procedia-se a uma subordinação proposital do passado ao presente, de forma a buscar no passado apenas aqueles fatores que poderiam ajudar na compreensão de questões colocadas pelo presente. “As instituições e os grandes homens não explicam a evolução histórica, e eles próprios devem ser explicados por fenômenos mais básicos da vida social” (Moura 1995, p. 22).

Para o campo das relações internacionais, estes historiadores focaram-se nas forças políticas, econômicas e intelectuais domésticas em sua influência nas relações exteriores do país. Com isso, o objeto de análise voltou-se mais para o estudo da política externa do que propriamente das relações internacionais do país. Os historiadores atentavam para as influências das idéias, conjuntura política doméstica e no papel da opinião pública como importantes questões para a análise da formulação das políticas externas.

Em função da mudança no objeto, a metodologia forçou os historiadores a ultrapassarem os documentos oficiais e buscarem material de análise em pesquisas de opinião pública e outros materiais impressos (como jornais e revistas). Neste momento, a política exterior era compreendida como uma continuidade da política doméstica[2].

A grande limitação desta visão era sua incapacidade de reconhecer os limites impostos pelo sistema internacional já que se focava exclusivamente na análise da política externa – que também pode ser uma resposta às mudanças sistêmicas. A busca constante pela definição dos interesses nacionais não permitiu a constituição de uma escola progressista das RI, algo que exigiria definições e conceitos internacionalizadores; ainda assim, sua insistência nas dinâmicas interna seria retomada pela “escola revisionista”.

Autores expressivos: Frederick Turner; John Fuller; Joe P. Smith; Artur Whitaker; Julius Pratt; Harley Notter; Thomas Bailey; Charles Beard; Charles Austin Beard; Vernon Parrington;

1950’ – 1960’ (História Consensualista ou tradicionalista)

As críticas ao modelo centrado na dinâmica social e na polarização histórica levaram ao surgimento do modelo consensualista, que buscava identificar os elementos consensuais tanto da sociedade quanto da cultura estadunidense. Tais elementos asseguravam a continuidade pois fundamentavam-se no denominador “caráter americano”. Essa nova visão foi fortalecida pelas próprias condições históricas internacionais – sobretudo a II Guerra Mundial e a polarização sistêmica com a União Soviética (URSS) – que fortaleciam um posicionamento oficial consensual, compreendido como expressão da homogeneidade dos interesses internos.

A forte presença do desafio soviético tornou-se central nas análises, seqüestrando a quase totalidade dos esforços analíticos. A política estadunidense era, assim, entendida como uma resposta à ameaça que o “mundo livre” sofria por parte do mundo comunista; desta forma, não mais se recorria às questões de ordem doméstica como fonte explicativa da política externa.

Neste cenário, surgiram três grupos centrais:

conservadores: analistas de direita que acusavam o governo Roosevelt de leniência diante de Stalin;

liberais: atentos à ideologia comunista, favoreciam o fim do isolacionismo estadunidense bem como a aceitação de suas “responsabilidades mundiais”; e

realistas: acentuavam os interesses nacionais russos, acentuando o caráter expansionista soviético como causador dos distúrbios pós-guerra. Também acusavam as práticas universalistas de Roosevel e Truman de pautarem-se em visões idealistas, de forma que desconsideravam as realidades do poder.

Destes três grupos, os realistas foram os que mais imponência alcançaram nos estudos sobre as RI nos EUA. Sua percepção anárquica do cenário internacional contrapunha-se diretamente à já fragilizada visão da história progressista, que acreditava na evolução da humanidade. Somou-se a isto o confronto com os governos totalitários, de forma que a questão da unidade interna logo transformou-se na questão do interesse nacional. Desta forma, as análises realistas focaram-se nas capacidades (capabilities) econômicas e militares do Estado para a implementação de seus interesses nacionais.

Para melhor compreender a atuação do Estado numa ordem internacional anárquica, o realismo pressupõe o consenso doméstico, ou seja, ausência de conflitos ideológicos internos e anuência quanto ao formato da política externa. Desta forma, o consensualismo apresenta-se como uma importante faceta da visão realista.

Autores expressivos: Robert Divine; Robert Dallek; Walter Lippman; Hans Morgenthau; George Kennan; Robert Osgood; MacNeill; Edward Buehring; John Snell; Daniel Smith; Howard Beale; Loius Halle

1960’ – 1970’ (Revisionismo)

O consensualismo criou um conjunto de uniformidades que logo apresentaram dificuldades para explicar a realidade, sobretudo quando profundas mudanças sociais e políticas eram vistas na sociedade estadunidense (Guerra do Vietnã; movimentos dos direitos civis, feminista e meio ambiente; escândalo de Watergate). Tal cenário favoreceu o surgimento de uma história mais pautada nas bases sociais, dos chamados “oprimidos”.

A crença realista do consenso interno e do conflito externo sofreu significativos abalos com o surgimento de uma onda revisionista. Geralmente baseando-se em pressupostos marxistas, buscou-se questionar as razões da presença maciça dos EUA no mundo, identificando os EUA do imediato pós-II Guerra Mundial como um dos responsáveis diretos pelo surgimento da Guerra Fria. Em linhas gerais, esta linha de análise procurava identificar as responsabilidades dos EUA na condução dos negócios internacionais, centrando-se também nas motivações dos governantes bem como sua percepções sobre as questões internacionais.

O posicionamento dos EUA no cenário mundial, mais do que o resultante consensual de toda a sociedade era percebido como a projeção dos interesses domésticos das elites dirigentes estadunidenses que buscavam a manutenção das relações estruturais fundantes da sociedade.

Em linhas gerais, pode-se afirmar que os revisionistas entendiam que o posicionamento de um país no cenário internacional baseava-se primordialmente em seus aspectos domésticos. Neste sentido, a política externa dos países era formulada na interação entreos policy-makers, as concepções de mundo e as instituições. Deve-se destacar que este processo sempre tenderia a atender aos objetivos e interesses das classes dominantes.

Em face desta centralidade nos aspectos domésticos, os revisionistas ignoraram o papel limitador do sistema internacional de forma que o papel a ser desempenhado pelos EUA foi excessivamente acentuado.

Autores expressivos: A Williams; Gar Alperovitz; David Horowitz; Walter Le Feber; Joyce Kolko; Arno Mayer; Godon Levin Jr.; Gardner; Parrini; McCormick; Richard Barnet; Franz Schurman;

1970’ (Pós-Revisionismo)

A exclusividade de culpa estadunidense pelo surgimento da Guerra Fria sofreu severas críticas estimulando o surgimento de análises que identificavam as duas potências mundiais (EUA e URSS) como culpadas pelo surgimento da Guerra Fria. A esta nova forma de analisar as relações internacionais chamou-se de pós-revisionismo.

Outra importante mudança ocorrida foi o desvio do enfoque das questões macro-estruturais econômicas para os processos de formulação de políticas e estratégias de cada uma das partes, identificando o exagero nas percepções que os governantes estadunidenses tiveram em relação à “ameaça soviética”.

Tal mudança fez com que parte dos analistas pós-revisionistas creditassem uma responsabilidade maior à URSS do que aos EUA no surgimento da Guerra Fria já que no caso deste último o perfil democrático limitava o papel dos tomadores de decisão. Outra parte continuava a acentuar as responsabilidades dos EUA no surgimento da Guerra Fria porém, ao contrário dos revisionistas que baseavam suas análises no perfil expansionista do sistema capitalista, os pós-revisionistas defendiam que os projetos políticos é que geravam o expansionismo econômico e, portanto, a tendência conflituosa no sistema internacional.

Em linhas gerais, três foram as questões duradouras lançadas pelo movimento revisionsita: (1) importância da natureza imperialista dos EUA (vs. virtuosismo estadunidense); (2) importância da dimensão econômica das relações internacionais (vs. relações de poder/equilíbrio de poder); (3) identificação de fatores domésticos como basilares para a compreensão da política externa (vs. interesses nacionais).

Autores expressivos: Walker; Paterson; Yergin; Leffeler; Schlesinger Jr.; > Sherwin; B. Bernstein;

1980’ (Diversidade analítica)

A distância existente entre os historiadores e os analistas de relações internacionais (os chamados “internacionalistas”) enfraquece o diálogo entre história e formulação teórica. Em face disto, o objeto de estudo das relações internacionais apresentou-se excessivamente amplo (relações interestatais, intersocietais, e transnacionais; processo decisório de política externa; relações bilaterais), de forma que possibilitou-se o surgimento de uma infinidade de teorias e concepções que apresentam pouca relação ou diálogo.

No estudo do sistema internacional como um todo três linhas analíticas destacam-se:

realismo: análises baseadas no equilíbrio de poder procuram identificar os fatores de preservação do sistema internacional baseado no poder das grandes potências.

(pós) revisionismo: analisam o papel hegemônico dos EUA e as conseqüências da centralidade no sistema internacional, atentando também para a natureza imperialista dos EUA no mundo.

globalismo: rompe com o exclusivismo estatal nas relações internacionais, busca incorporar às suas análises novos atores. Centra-se também na aceitação de regras e valores comuns na formação da sociedade internacional. A existência de assuntos tópicos a serem tratados por atores não-estatais levam ao surgimento de movimentos transnacionais (interdependência econômica, integração regional; movimentos de opinião pública, questões de ordem cultural).

No estudo sobre formulação de política externa a análise centra-se nos processos decisórios. Em geral recorre-se aos modelos instrumentais, que podem ser utilizados pelas mais variadas correntes teóricas. Fundamentado em concepções racionalistas, os modelos variam daqueles para os quais os tomadores de decisão têm perfeito conhecimento de todas as variáveis e conseqüências de suas decisões até a teoria dos jogos, passando por aqueles nos quais acontecimentos perturbadores podem modificar o cálculo racional.

Outra linha analítica da política externa procura analisar sua formulação não em termos do processo decisório, porém em função dos condicionantes políticos e econômicos. As análises diplomáticas recuam ao passado colonial estadunidense ou mesmo aos valores do imperialismo britânico.

Autores expressivos: G. Liska; W. S. Cole; J. Spanier; Robert Gilpin; Schurman; Hedley Bull; Vernon; Burton; Robert Keohane; Jpseph Nye; Robert Gilpin; Snyder; Bruck; Sapin; James Rosenau; Steinbruner; Graham Allison; Paterson; Clifford; Rappaport;

Governo George W. Bush (Neo-conservadores)

Com a administração Bush um grupo de analistas transformou-se em tomador de decisão em política externa e mudaram significativamente a forma de atuação dos EUA no sistema internacional. Entre estes analistas destaca-se o assessor do Secretário de Defesa Paul Wolfowitz, o vice-presidente Dick Cheney e o Secretário de Estado Colin Powell, além de Robert Kagan. O traço comum a estes analistas é a idéia de que os EUA devem usar seu poder para delimitar os contornos do sistema internacional contemporâneo.

A primeira geração de neo-conservadores surgiu na década de 1960 como uma facção de Democratas que colocavam-se de forma crítica frente ao grupo liberal que dominava o governo da época. Uma segunda geração contava com uma parcela mínima de democratas e o resto era de republicanos que se centravam no estudo da política externa, do fim das políticas afirmativas bem como defendiam reformas no Estado de Bem-estar social.

A atual geração de neo-conservadores defendem que os EUA devem enfrentar o desafio de controlar um mundo unipolar. Entendem o mundo como uma divisão entre os bons e os maus, de forma que os EUA devem estar dispostos a usar seu poder militar para evitar a instalação do caos internacional. Haas (1997) defende que o sistema internacional pós-Guerra Fria é como um Velho Oeste, de forma que os EUA seriam constantemente chamados a desempenharem o papel de xerife.

Sua forma de atuação é mais direta e procura evitar os contornos da diplomacia já que não acreditam nas instituições multilaterais, uma vez que estas limitam o poder estadunidense. Defendem uma atuação preventiva e o aumento do poderio militar estadunidense até que chegue a um estado quando não será possível a outro Estado questionar (Nationl Security Strategy, 2002).

A discussão atual entre os tomadores de decisão estadunidenses, mais do que se ocupar dos fins da política externa, concentram-se nas análises dos meios e custos de implementação.

ESCOLAS DE PENSAMENTO

Escola de Chicago

A Escola de Chicago tem uma posição central no estudo das relações internacionais em face de sua preocupação com a metodologia de estudo. Seu objeto de estudo centrou-se nas instituições, na história e nos processos.

Charles Merriam (diretor do departamento de RI entre 1923-1940) defendia que o estudo sobre o governo estadunidense deveria se basear no estudo da política como tal. Isso o levou a ocupar-se fortemente do estudo das instituições políticas.

Harold Lasswell continuou o trabalho de Merriam analisando as influências políticas, sociais e psicológicas no direito. Desta forma, buscava aumentar o rigor científico no estudo da política.

Nathan Leites, seguindo os passos de Lasswell estudou o funcionamento do Politurbo a fim de identificar o padrão de comportamento do governo comunista.

Pode-se considerar como o verdadeiro fundador da Escola de Chicago Quincy Wright (ingressou no departamento em 1931). Seu interesse diretamente ligado às relações internacionais fez com que ganhasse proeminência sobre os demais analistas, solidificando a idéia de um campo de estudo próprio. Destacando o estudo da lei internacional e da organização, encarava a ciência como um meio para transformar a política. Entre os principais conceitos por ele desenvolvidos estão paz, lei e ordem.

Hans Morgenthau entrou na Universidade de Chicago para substituir temporariamente Wright, que estava afastado para participar do Tribunal de Nuremberg. Em constante diálogo com Wright (direito internacional) buscou desenvolver o estudo da política internacional (continuidade e mudança na história das relações internacionais). Seus estudos centralizavam-se nas rivalidades políticas que, por vezes, culminavam em conflitos. Desta forma, desenvolveu os conceitos de poder e equilíbrio de poder. O ceticismo científico de Morgenthau fez com que ele se focasse mais nas dinâmicas internacionais do que na capacidade da ciência em alterar o sistema internacional.

Escola de Harvard

Harvard possui um prestígio por si mesma, o que lhe garante uma forte influência sobre outros centros de estudos. Durante as décadas de 1930 e 1940, a ênfase analítica recaiu sobre o estudo do direito internacional, quando se destacaram George Grafton Wilson (departamento de governo) e Manley Hudson (Faculdade de Direito). No final da década de 1940 o destaque do direito internacional perdeu força sendo substituído pela teoria política, sendo que os estudos sobre políticas públicas ocupavam grande parte dos analistas.

Escola de Yale/Princeton

A Escola Yale/Princeton tem como marca central seu destaque analítico a orientação para os trabalhos históricos. A importância da Escola surgiu com Nicholas Spykman, que analisou as bases sociológicas da política e do direito internacional. Com sua morte em 1943, Arnold Wolfers tornou-se a figura central, destacando os estudos históricos sobre diplomacia e política.

A qualidade e quantidade de estudiosos que passaram por esta Escola logo foram demandados por outras instituições, a fim de atender à crescente demanda por cursos de relações internacionais.

Apontamentos finais

Uma tendência que podemos apontar ao longo da evolução das análises sobre história das relações internacionais é uma constante preocupação dos analistas em compreender o papel desempenhado pelos Estados Unidos no sistema internacional. Com uma vertente muito mais pragmática, suas análises voltam-se constantemente para a resolução de problemas específicos que se colocam diante da inserção internacional estadunidense.

Ainda que a idéia de escola de pensamento não seja a mais adequada para se pensar o estudo das relações internacionais nos Estados Unidos, ele pode ser usada a fim de identificarmos os principais centros de influência na formulação da política externa estadunidense. Isso ocorre pois, em geral, há uma grande fusão entre os analistas e os tomadores de decisão. Desta forma, quando se delineia os padrões de estudo e metodologias mais utilizadas, podemos identificar as principais linhas delineadoras do comportamento internacional dos Estados Unidos.
Bibliografia
BAYLIS, John & SMITH, Steve. The globalization of world politics – an introduction to international relations. Oxford University Press. Oxford, 2001 (2ª ed.).
DOUGHERTY, James & PFALTZGRAFF JR., Robert. Contending theories of international relations – a compehensive survey. Harper Collins Publishers. New York, 1990 (3ª ed.).
DOYLE, Michael & IKENBERRY, G. (edits.). New thinking in international relations. Boudler. Westview Press, 1997.

HAAS, Richard. Reluctant Sheriff – the United States after Cold War. Council Foreign Relations. 1997.

MOURA, Gerson. “Historiografia e relações internacionais” in Contexto Internacional, nº 10, jul-dez 1989.

_______. História de uma História – Rumos da Historiografia Norte-americana no Século XX. São Paulo. Edusp, 1995.
THOMPSON, Kenneth. Schools of thought in international relations – interpreters, issues, and morality. Baton Rouge. Louisiana State University Press, 1996.
VIOTTI, Paul & KAUPPI, Mark. International relations theoru – Realism, Pluralism, Globalism. Allyn and Bacon. Massachusetts, 1993 (2ª ed.).


[1] Mais do que a existência de uma agenda comum de pesquisas, numa escola de pensamento encontramos um grupo de analistas que comungam um mesmo conjunto de teorias, métodos e outras visões compartilhadas, formando um denso corpo analítico.

[2] “A política externa é uma fase da política interna, uma fase inseparável” – Charles Beard, presidente da American Historical Association (1930’), apud Moura (1989: p. 69).


Universidade de Brasília
Departamento de Relações Internacionais
Pós-Graduação em Relações Internacionais
Disciplina: Historiografia das Relações Internacionais (1º/2003)
Prof. Dr. Amado L. Cervo

Deixe uma resposta